Kia Cee’d 1.4 VVTi ISG – Valerá a pena?

IMG_1156Inevitavelmente, a Kia converteu-se ao clube dos ecológicos, criado com a eclosão da crise mundial. No caso do Cee’d, a Kia deitou mão ao sistema “start&stop” da Bosch, colocou-o no motor a gasolina de 1.4 litros e reduziu os consumos 6 por cento e as emissões um pouco mais que isso.

As questões ecológicas e a redução dos consumos estão na ordem do dia, as primeiras porque quanto menos CO2 produzir um veículo, maior a benesse fiscal, as segundas porque apesar do petróleo estar barato, os combustíveis continuam ainda caros e sabe-se que as jazidas estão cada vez mais esgotadas.

No imediato, o que é possível fazer para conseguir reduzir consumos e emissões? O mais fácil e simples é o sistema “stop&start” que desliga e liga o motor consoante a utilização. E nos ambientes urbanos, este sistema é mesmo eficaz. Porém, temos de o dizer, estes sistemas não contribuem para a poupança de combustível e para diminuir as emissões de CO2 caso sejam maioritariamente utilizados fora das cidades.

Poderá parecer esta conversa algo descabida, mas aquilo que os construtores colocam nas fichas técnicas e que é homologado, são resultados obtidos quando enquadrados num fórmula precisa. No caso a norma ECE que entre os muitos testes inclui 12 paragens e arranques. Ora, por aqui fica evidente que o sistema “stop&start” é uma peça fundamental para os valores apresentados.

Este longo intróito serve para colocar alguma água na fervura ecológica de alguns e deixar claro que não há milagres na indústria automóvel, além de servir de introdução ao Kia Cee’d 1.4 VVT ISG, o ecológico da Kia que anuncia redução de consumos entre os 12 e os 26 por cento e uma assinalável diminuição das emissões, de 145 para 130 g/km. Como?

Sistema ISG

A Kia – e também a Hyundai – criaram o “Idle Stop&Go”, mais um sistema que desliga o motor em caso de paragem. Ora, a falta de tempo para criar uma solução própria levou o grupo Hyundai-Kia a abrir os cordões à bolsa e comprar o sistema desenvolvido pela Bosch. Já andou com algum BMW equipado com “Stop&Start”? Este é igualzinho, pois utiliza o sensor do ângulo da cambota, o sensor da bateria, um alternador inteligente, um motor de arranque mais fiável e uma bateria especial para maior duração.

O funcionamento é simples e todos o conhecem: quando paramos, desengatamos a caixa e retiramos o pé da embraiagem, o motor desliga-se. Quando carregamos na embraiagem, o motor liga-se e podemos seguir viagem.

Isto significa que teremos de mudar alguns hábitos de condução, sob pena do sistema de nada valer. Ou seja, quando parar num semáforo ou no trânsito temos de desengatar o carro e tirar o pé da embraiagem.

Para evitar que o motor de arranque entre em colapso com este frenesim de arranques sucessivos, esta peça foi reforçada e está preparada para efectuar 300 mil ciclos de arranque contra os habituais 50 mil. A embraiagem também é reforçada bem como foi colocado um sensor na caixa de velocidades.

Mas as alterações não se ficam por aqui. O Kia Cee’d ISG também contempla um alternador inteligente, controlado pela unidade de comando do motor (ECU). É esta unidade quem escolhe qual a melhor oportunidade para o alternador carregar a bateria. E quais são as melhores ocasiões? Quanto o carro está a desacelerar, a travar ou quando rola em velocidade de cruzeiro sem necessitar de toda a potência. Isto porque quando um alternador está a carregar a bateria, rouba potência ao motor, logo, quando o propulsor está em carga e o alternador também, o consumo aumenta. A recuperação de energia para a bateria é assim que se concretiza.

Fácil utilização

Conhecido de outros modelos o sistema não coloca nenhuma dificuldade na utilização, pois como dissemos, temos apenas que mudar um pouco os nossos hábitos de condução. Em utilização, o sistema ISG revela-se rápido. Pouco menos de meio segundo para desligar o motor – e não precisa de utilizar o travão de mão, pois os travões ficam utilizáveis – e um pouco mais para que o motor ligue e possamos arrancar. O arranque faz-se suavemente e sem quase darmos por isso.

Obviamente que se não quiser alinhar neste comboio ecológico, pode optar por outro modelo ou então utilizar o botão que desliga o ISG. Tudo o resto no Kia Cee’d 1.4 ISG é exactamente igual ao modelo original.

Vale a pena um Cee’d ISG?

Como já referimos, o sistema ISG é útil apenas em casos de tráfego muito congestionado, onde as paragens do motor são realmente uma mais-valia em termos de consumo de combustível e de emissões. A Kia estima que a poupança de combustível naquelas condições traduz-se entre os 12 e os 26 por cento, valores assinaláveis.

Se a sua utilização for maioritariamente em estrada, o ISG não lhe serve de absolutamente nada, pois sem paragens não há economia de gasolina. Quer dizer, o facto do Cee’d ISG estar equipado com pneus Michelin de baixo atrito reduz um pouco os consumos, mas sem a ajuda do ISG os valores de economia são residuais.

Portanto, terá de pensar bem se necessita de um carro destes tendo sempre em atenção o facto da homologação do carro com um baixo valor de emissões de CO2 lhe permite reduzir o preço final.

No caso do Kia Cee’d, por pouco mais de 15 mil euros tem direito a um carro familiar com um espaço interior razoável, uma bagageira mediana, conforto aceitável e uma qualidade que fica acima daquilo que é habitual na marca coreana. Alem disso, o nível de equipamento é bom, a utilização de uma avançada suspensão traseira independente multibraços e um chassis rígido permite um comportamento agradável e seguro e a direcção assistida electricamente não é muito insensível.

Menos agradáveis são as prestações, pois o motor 1.4 a gasolina apesar de ter 109 CV, tem um binário curto e colocado num patamar de rotação nada agradável. Como não há caixa de seis velocidades, apenas cinco marchas, é difícil evitar exagerar no consumo, especialmente se quisermos retirar a quintessência do motor. Não se admire, por isso, que o computador de bordo exiba cifras acima dos sete/oito litros e às vezes mais.

Características técnicas

Motor – 4 cil. 16V; 1396 c.c.; Potência – 109 cv / 6200 rpm; Binário – 137 Nm / 5000 rpm; Transmissão – Dianteira, caixa manual 5 vel.; Suspensão – Independente, McPherson fr./Multibraços tr.; Travões – Discos vent. fr. / Discos tr.; Comp./Larg./Alt. – 4235/1790/1480 mm; Dist. entre eixos – 2650 mm; Capacidade da mala – 340 ltrs; Peso – 1355 kgs; Velocidade Máxima – 187 km/h; Acel. 0-100 km/h -11,6 seg.; Consumo médio – 6,1 l/100 km; Emissões CO2 – 130 (Categoria C)

2 Respostas

  1. Estou a pensar adquirir um Cee’d destes, 1.4 com o sistema ISG e segundo o vendedor do concessionário onde me dirigi este sistema não dava para desligar. Depois de saber por este (excelente) texto vejo bem o quanto o vendedor percebe do automóvel…
    Obrigado
    Boa continuação

  2. Hi there! I simply want to give a huge thumbs up for the great data you have got right here on this post.
    I will probably be coming again to your weblog for extra soon.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: